trip232-colab-024O que eu acho mais tocante nesse relato, não é a técnica da meditação ter sido o eixo de retorno á vida de uma pessoa enlutada, nem mesmo toda narrativa minuciosamente colocada, o que me emociona mais é a alma exposta de um homem sem reservas de sentimentos.

O contato com o tema da morte e o alcance de suas consequências, são tratados e vivenciados de maneira diferente por homens e mulheres. Grosso modo, homens se recolhem e são poucos expressivos na foma como lidam com seus sentimentos de dor, sendo que as mulheres se ancoram mais em crenças e buscam externar mais suas angústias e dores.

Enfim, o luto e sua superação é entrega individual onde não há regras, receitas prontas nem generalidades, as técnicas ajudam a quem se quer ajudar à renascer.

“Normalmente, quando a vida se torna um desafio, combatemos com coragem, arregaçamos as mangas e trabalhamos mais. O luto é passivo. É um passeio em que você não tem controle.” Jamie Brisick

Para ler a matéria original acesse: Revista TPM

Anúncios